domingo, 18 de junho de 2017

Fotos de pés. Esse flagelo destruidor de Verões alheios...

Vem o calor de começa o flagelo das fotos dos pés ao léu na praia e na piscina. A minha questão é: porquê pés? Alguém realmente acredita que são uma coisa bonita de se ver? Cheios de calos e dedos tortos do calçado apertado? Acho que nunca vi uma foto em que olhasse e pensasse: Ora aqui estão uns pé bonitos! Não, porque, por norma, são todos feiosos. Mesmo os meus, com aquele dedo mindinho deficiente e arrebitado. 

Pá, postem mamas, rabos, bocas, orelhas, ou até pilas! Mas pés, por favor, não...
A não ser, claro está, que estejam devidamente tapados por calçado giro. Aí sim, podem e devem partilhar, que a malta anda sempre atrás das novidades.

Os últimos que me apareceram iam-me cegando um olho.



quinta-feira, 8 de junho de 2017

Lois a indignada: Só tenho olho para o que não devo.

O meu PC deixou de carregar a bateria. Pânico TO-TAL. Há que correr para a loja mais próxima, na esperança de o problema estar apenas no carregador. Estava. Ufa.
Já que lá estava, aproveitei para ver uns PC's, que o meu está a pedir reforma. O moço foi mostrando e eu fui gostando cada vez mais. E pedindo mais coisas. Até que cheguei ao computador perfeito. Tinha tudo o que eu procuro num portátil. Era só o mais caro. Bah...



quarta-feira, 7 de junho de 2017

Lois, a indignada: Comprei uma massagem relaxante e fiquei ainda mais stressada!

Uma pessoa fica a saber que o carro que a abalroou na rotunda tem os documentos apreendidos desde 2009 e que não tem seguro - nada de que já não desconfiasse - e fica um bocado stressada. Acrescido do facto de estar prestes a completar metade de 70 anos, pessoa dirige-se a um dos milhentos sites de descontos que lhe invadem a conta de email diariamente e decide, finalmente, após anos de "ai, tenho mesmo de marcar uma massagem", comprar a porcaria de um cupão!
Clique aqui, clique ali e já estava! Lois era a feliz detentora de um cupão que lhe iria permitir esquecer todos os problemas do mundo (sim, mesmo o Trump e os erros ortográficos dos DAMA) durante 50 minutos.
Já a imaginar a sensação de bem-estar e relaxamento total provocados pela massagem, uma pessoa pergunta para quando pode agendar.
E o que é que respondem? Só a partir de julho. Sério?? Uma pessoa gastou dinheiro na porcaria de um cupão para fazer a porra de uma massagem e só pode marcar para daqui a um mês? Adeus relax. Olá stress.




sexta-feira, 2 de junho de 2017

Lois, a indignada: Bateram-me no carro e fugiram. Mesmo na minha frente!

Vai uma pessoa, alegremente, pela manhã, toda pimpona, a uma entrevista de trabalho, conduzindo a sua viatura, amor da sua vida. Chegando-se a uma rotunda, passa, como manda o Código da Estrada - esse estranho livro do Demo, que muita gente desconhece - para a faixa da esquerda, pois tem de contornar quase toda a rotunda até à saída pretendida. Ao meu lado, para um carro, que deveria entrar e sair logo na primeira, já que ia fazer a rotunda por fora.
Só que não! Mal entro na rotunda, o filho de uma grande rameira manda-se contra o meu carro! Senti o embate, olhei e vi o gajo colado a mim. Saco o travão de mão, saio cá fora, dirijo-me à viatura, com quatro marmanjos estranhos lá dentro e digo: Vamos chamar a polícia, porque eu estava a fazer bem a rotunda e o senhor é que me foi bater.
Nisto, o gajo, que não era português (pareciam todos marroquinos) diz-me que não, que o meu carro não tinha nada e que não era preciso. E eu: Quê?? Não, não! O meu carro está todo riscado e não sai daqui ninguém sem vir a polícia. O gajo sempre a dizer que não e eu começo a perceber que a intenção dele era pirar-se dali. Não tenho mais nada! Meto-me à frente do carro, com as mãos em cima do capô e digo: Tu não tiras daqui o carro! Não, não sei que raio me passou pela cabeça.
O certo é que o gajo acelerou, eu saí da frente e ele pirou-se. Insultei-o quanto pude, mas antes disso ainda tive tempo de lhe apontar a matrícula. Mais duas pessoas vieram ter comigo para me dar a matrícula do gajo, porque viram a cena toda.

Fui logo à PSP apresentar queixa e o senhor polícia lá me diz que preciso de duas testemunhas. E eu pensei: bonito. Não fiquei com o contacto de nenhuma daquelas pessoas. Felizmente, a rotunda estava em obras e andavam lá uns trabalhadores. Lá fui eu ter com eles, na esperança de algum ter visto o filho de uma rameira a fugir. Afinal todos tinham assistido e dois deles lá me deram o contacto, para eu os poder apresentar como testemunhas.
Agora é esperar que a PSP e a seguradora dêem andamento ao processo, para eu poder meter o carro na oficina da marca, para pôr tudo impecável como estava. Espero que seja bem caro, porque é do bolso dele que vai sair. Não tivesse fugido! E ainda devia pagar pelos nervos que eu tive.
É que tudo o que uma pessoa precisa antes de uma entrevista de emprego importante, é que lhe batam no carro e se ponham no c*******.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Para quando as praias interditas a velhos tarados??

Esta semana fui com uma amiga a uma praia onde nunca tinha estado. Ela teve de ir embora mais cedo e eu ali fiquei, a aproveitar mais um bocadinho. Ao meu lado estava deitado um velhote, na sua cueca preta de licra.
Quando me viro de barriga para cima, para me sentar um bocado na toalha, olho para o lado e vejo o velho de telemóvel na mão, virado para mim. desviei o olhar e pensei: ele não era capaz de me tirar fotos, pois não?
Nisto, ouço aquele barulho típico dos telemóveis quando se tira uma foto! Olho para o homem e ele, com a maior das latas, de telemóvel no ar, virado a mim. Fiquei com cara de tacho a olhar para ele, a fumegar pelo nariz, mas o raio do velho, na boa. Ainda se pôs a ver a foto e a fazer zoom na imagem (o movimento de dedos não engana).
Tive vontade de me levantar, ir lá, agarrar a merda do telemóvel e atirar com ele ao mar. Ou então só apagar a foto e chamá-lo de velho tarado. Mas o que é que eu fiz? Vesti a roupinha e fui embora dali a correr. Que garganta eu tenho muita, mas lata, tenho menos que ele e não fui capaz de dizer nada. 

Espero que um dia destes alguém, com mais tomates que eu, lhe parta o focinho.




quinta-feira, 25 de maio de 2017

Vida de desempregada: seis semanas

Só para meter nojo, tenho a dizer que fui à praia na terça e ontem. E, minha gente, estava melhor do que no verão! Sem vento (o que cá em cima é uma espécie de milagre), um calorzinho maravilhoso e a água a uma temperatura praticamente agradável. A época de mergulhos foi oficialmente inaugurada!
Entretanto há que continuar a ir às entrevistas. É bom que não voltem a calhar num dia de sol com 30 graus...